Ocupação ocorre no prédio do Ministério de Desenvolvimento Agrário. MST abre jornada nacional de luta pela reforma agrária, em Brasília

Integrantes do MST invadiram no final da madrugada prédio do ministério, em Brasília
Marcello Casal JR/ABr
Integrantes do MST invadiram no final da madrugada prédio do ministério, em Brasília

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam nesta manhã o prédio do Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA) em Brasília. Segundo José Damasceno, da coordenação nacional do movimento, a ocupação teve início às 5h40 e abre a “jornada de luta” na campanha do abril vermelho. De acordo com o MST, o protesto reúne 1,5 mil pessoas. Os funcionários do ministério estão impedidos de entrar no prédio.

Leia também: MST abre 'abril vermelho' em Pernambuco com ocupação de fazenda

Segundo Damasceno, o MST quer que “a presidenta marque uma audiência com os trabalhadores”. A avaliação do ativista é que “o governo, após um ano e quatro meses da posse, não iniciou a reforma agrária”, por “falta de prioridade política”.

Entre as reivindicações do grupo estão a elaboração de um plano emergencial para o assentamento de mais de 186 mil famílias acampadas e a criação de um programa de desenvolvimento dos assentamentos, com investimentos públicos em habitação rural, educação e saúde, além de crédito agrícola, informa comunicado do movimento.

Dilma ignora 'abril vermelho' e corta recursos do Incra

Na opinião de José Damasceno, o Palácio do Planalto tem demonstrado que “quer desenvolver o Brasil”, mas para isso “é preciso resolver uma dívida social”, disse se referindo à concentração da propriedade de terras no país. “A reforma agrária é uma medida social e produtiva: aquece a economia, gera renda e ainda aumenta a produção de alimentos”.

O MST deverá fazer ao longo da semana outras ocupações de terra e de prédios públicos (como as delegacias do Ministério da Fazenda e as sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Incra, nos estados), informou Damasceno.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.