Integrantes do MST fazem ocupações e protestos pelo Nordeste

Movimento realiza ocupações e protestos em Pernambuco, Bahia e Ceará; ações fazem parte do Abril Vermelho

iG São Paulo |

Daniel Aderaldo / iG Ceará
Integrantes do MST acampam na sede do governo do Ceará
O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza nesta segunda-feira ocupações e protestos em ao menos três Estados do Nordeste _Pernambuco, Bahia e Ceará. As ações fazem parte da mobilização nacional ‘Abril Vermelho’.

Em Brasília: MST ocupa prédio de ministério e pede audiência com Dilma

Em Pernambuco, o MST ocupou mais cinco fazendas no Estado, totalizando seis áreas invadidas na atual Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária.

De acordo com a coordenação regional, além da fazenda Serra Grande, no município de Gravatá, no agreste, ocorrida no sábado (14) , as ocupações ocorreram, até a madrugada desta segunda, em fazendas do sertão e do agreste - Garrote Bravo, em Ibimirim, Fruit Vita, em Petrolina, Cedro, em Ipubi e Amargoso, em Bom Conselho, e Condado, em São Bento do Uma.

O movimento alega que as áreas são improdutivas. De acordo com um dos seus dirigentes, Florisvaldo Alves, dos 1,3 mil hectares da fazenda Fruit Vita, a fazenda ocupa apenas 200 hectares para produção de manga irrigada para exportação.

Em Salvador, cerca de 3 mil integrantes de quatro associações de sem-terra montaram acampamento, na manhã desta segunda-feira, em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador.

Em Minas Gerais: MST ocupa fazenda em Alto Paranaíba e inicia 'Abril Vermelho'

De acordo com a direção do MST no Estado, a ocupação integra o movimento nacional conhecido como Abril Vermelho - que lembra a morte de 21 sem-terra em Eldorado dos Carajás, no Pará, em 17 de abril de 1996 - e não tem data para terminar. Os grupos sem-terra prometem, ainda, interditar parte das rodovias baianas amanhã, por 21 minutos, para lembrar a passagem dos 16 anos do episódio.

Na Bahia, os sem-terra cobram, além da aceleração dos projetos de reforma agrária, por parte do governo federal, medidas contra a estiagem que atinge o semiárido baiano. De acordo com o governo baiano, 200 municípios decretaram situação de emergência por causa da seca, a pior dos últimos 30 anos.

Em Fortaleza, cerca de 200 integrantes do MST ocupam desde o início da manhã a parte externa do Palácio da Abolição, sede do governo do Ceará, localizado na avenida Barão de Studart, no Meireles, bairro nobre da capital. Eles estão acampados nos jardins, estacionamento e escadas do local.

Daniel Aderaldo / iG Ceará
Crianças do MST transformam espelho d'água do palácio do governo do Ceará em piscina

Crianças estão utilizando o espelho d’água que fica embaixo do mausoléu do prédio como piscina. Em algumas regiões do Ceará as chuvas estão escassas e irregulares. Os pequenos agricultores pedem o pagamento antecipado do Garantia Safra por conta dos prejuízos na lavoura.

Rio de Janeiro

Manifestantes ligados ao MST também ocupam a sede do Incra no centro do Rio de Janeiro. De acordo com Marcelo Durão, coordenador do movimento, existem cerca de mil famílias de trabalhadores sem terra no Estado.

Os 200 manifestantes reiteram o pedido de mais rapidez nos processos de reforma agrária e cobram o governo sobre acordos assumidos ano passado. Segundo Durão, 20 mil escolas no campo foram fechadas, forçando as famílias a migrarem para a cidade. “A pauta da reforma agrária está paralisada, está largada. A gente não está conseguindo ser ouvido nem pela sociedade, nem pelas autoridades”, diz o coordenador.

* Com Agência Estado, Agência Brasil e iG Ceará

    Leia tudo sobre: mstaçõesocupaçõesprotestosnordesteabril vermelho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG