José Eduardo Cardozo afirmou, no entanto, que se necessário homens das Forças Armadas serão enviados para outros Estados

Governador da Bahia e ministro da Justiça comentaram onda de violência no Estado
AE
Governador da Bahia e ministro da Justiça comentaram onda de violência no Estado
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, está convencido de que não haverá greves de policiais militares em outros Estados, como ocorre na Bahia. Na avaliação de Cardozo, o movimento nacional perdeu força após a divulgação de conversas telefônicas entre grevistas baianos e policiais e políticos com o intuito de radicalizar a paralisação.

Greve na Bahia: Em assembleia, policiais militares decidem manter greve

Conversas: Gravações foram feitas por governo baiano e comemoradas no Planalto

“O que estamos sentindo é que, depois dos acontecimentos dos últimos dias, há um refluxo do movimento. Acredito que muitos policiais que queriam apenas fazer a reivindicação por salários perceberam que algumas lideranças, que estavam tentando articular um movimento nacional, estavam tentando associá-los à prática de atos de vandalismo e crimes, que são inaceitáveis”, disse o ministro.

“Aquilo que era uma suspeita para alguns transformou-se em certeza. Há uma clara vinculação de alguns líderes do movimento grevista da Bahia e de outros Estados com a prática de atos de vandalismo e criminosos, atos absolutamente injustificáveis. Não se aceita o crime por parte de ninguém. Quando vem de policiais que têm suas armas pagas pelo povo para dar proteção ao povo, fazer com que essas armas sejam utilizadas para ameaçar é algo que não pode ser aceito por ninguém”, acrescentou.

No Ceará: Assembleia do Ceará aprova gratificação e anistia para PMs grevistas

No Rio: Alerj aprova proposta do governo de aumento para policiais

Salários pelo País: Em ao menos 21 Estados, salário de policiais é inferior a R$ 2,5 mil

No interior de Pernambuco, a presidenta da República, Dilma Rousseff, disse que ficou "estarrecida" ao ouvir as gravações telefônicas dos líderes dos policiais amotionados em Salvador, divulgadas quarta-feira (8) pela TV Globo. E, assim como a presidenta, Cardozo também é contra a anistia dos policiais que cometeram crimes durante o motim, como depredação do patrimônio público e incitação à greve. “Quem cometeu atos ilícitos tem que responder [por eles]”, reforçou o ministro.

Com relação à segurança da capital baiana, que vive a expectativa de receber milhares de pessoas para o carnaval, Cardozo assegurou que os 4,5 mil homens das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança e da Polícia Federal continuarão na Bahia “o tempo que for necessário" e que não há data para a saída dos militares.

Em caso de greve da polícia em outros Estados, como no Rio de Janeiro, o ministro garantiu o envio das tropas. “Se houver alguma situação em qualquer Estado, o governo federal terá condições de enviar tropas para garantir a segurança da população”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.