Bolsa Família gera o maior efeito multiplicador sobre consumo, segundo Ipea

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo compara impactos do programa, que completa dez anos em 2013, com outras seis transferências sociais

Agência Estado

Alan Sampaio / iG Brasília
Programa beneficia famílias com alta propensão a consumir e, portanto, consegue efeito multiplicador maior, na avaliação do Ipea

Além de ser o mecanismo de transferência social que mais contribui para o Produto Interno Bruto (PIB), o Bolsa Família é também o que mais pesa no cálculo do consumo das famílias no País. A cada R$ 1 transferido pelo Bolsa Família, o consumo final do total da economia aumenta R$ 1,98, enquanto que os efeitos no consumo final das famílias é ainda maior: de R$ 2,40.

Conheça a nova home do Último Segundo

A conclusão é do livro "Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania", que será lançado no final deste mês pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). Alguns dados do trabalho foram apresentados na manhã desta terça-feira (15), em Brasília.

Leia também:
Berço do Bolsa Família, Itinga ainda caminha para espantar a miséria
Fiscalização aponta falhas de Itinga na gestão do Bolsa Família 

O objetivo de um dos capítulos da pesquisa é avaliar os efeitos do programa sobre a macroeconomia. Para tanto, os pesquisadores Fabio Vaz e Pedro de Souza, além do presidente do Ipea, Marcelo Neri, compararam os impactos do principal programa de distribuição de renda do governo federal com outras seis transferências sociais: os benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), do Benefício de Prestação Continuada (BPC), do Seguro Desemprego, do Abono Salarial do PIS/PASEP e dos saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Denúncia: Mais de 2 mil políticos eleitos em 2012 são flagrados recebendo Bolsa Família

De acordo com o capítulo assinado por Neri, Vaz e Souza, os chamados "efeitos multiplicadores" sobre a economia são maiores quanto mais focalizadas são as transferências para os mais pobres, por formarem famílias com "maior propensão marginal a consumir". Também por isso, o impacto sobre o consumo das famílias é maior do que sobre o consumo final do total da economia. "Mais do que qualquer outra transferência, o programa beneficia diretamente famílias mais pobres com alta propensão a consumir e, portanto, consegue um efeito multiplicador maior", escrevem os pesquisadores.

No quesito consumo, o Benefício de Prestação Continuada é o que mais se aproxima do Bolsa Família. Cada R$ 1 aplicado no BPC representa um retorno de R$ 1,32 no consumo final da economia e de R$ 1,54 no consumo das famílias.

Renda bruta
O estudo também analisou o efeitos das transferências sociais na renda disponível bruta do total da economia e na renda disponível bruta das famílias. Ao se transferir R$ 1 a mais do Bolsa Família, aumenta em R$ 1,48 a renda disponível bruta e R$ 1,64 a renda disponível bruta das famílias. "Esses resultados sustentam a hipótese de que as transferências sociais voltadas para os mais pobres - principalmente as do Programa Bolsa Família - cumprem papel positivo importante para a dinâmica macroeconômica brasileira, além de contribuir para a redução da pobreza e desigualdade", relatam os autores no estudo.

Para analisar os efeitos sobre a macroeconomia, os pesquisadores usaram dados do Programa de Orçamentos Familiares (POF) e do Sistema de Contas Nacionais, que contêm informações de produção, remuneração de fatores, tributos indiretos, consumo intermediário e componentes da demanda final. "(A transferência ocasiona) um giro na economia, onde uma renda gera um gasto e num gasto há uma renda", exemplificou o presidente do Ipea, Marcelo Neri, durante a coletiva.


Leia tudo sobre: bolsa famíliaipeabrasileconomiadistribuição de rendaconsumo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas