Governo investiga causas do apagão no Nordeste

Dilma soube pela internet e avisou ministro Lobão. Falha em subestação de energia em Pernambuco é o principal motivo para apagão

iG São Paulo |

O governo ainda investiga as causas do apagão que deixou os Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe às escuras na madrugada desta sexta-feira. A interrupção começou à 0h08, no horário de Brasília, e rede foi completamente restabelecida às 5h.

nullA presidenta Dilma Rousseff ficou sabendo do apagão ao ler notícias em portais de internet. Foi ela quem ligou para o ministro de Minas e Energia , Edson Lobão, e o informou sobre o caso. Na sequência, começou a despachar e entrou em contato, por telefone, do gabinete, com especialistas do setor elétrico, segundo relataram fontes do governo ao iG .

Edson Lobão foi escalado para falar sobre o incidente e, em entrevista coletiva à imprensa, disse que ainda não há explicações definitivas. A causa mais provável, diz ele, é que uma oscilação na corrente da substação de São Luiz Gonzaga, no município de Jatobá (PE), tenha acionado o mecanismo de proteção do sistema, que se autodesligou para evitar danos. Contudo, ele não descartou falha humana para o incidente.

“[Por um motivo desconhecido] Um circuito do linhão (de São Luiz Gonzaga) se desligou. E a mão humana foi religar. Nisso, o outro linhão também se desligou, houve uma rejeição da ação mecânica daquele momento, desligando a outra linha. E o sistema entendeu que havia uma anormalidade, como se fosse uma sobrecarga, e se protegeu desligando-se”, disse Lobão.

Segundo ele, na segunda-feira, será realizada uma reunião entre todos os órgãos federais ligados à energia elétrica para que sejam determinadas as causas exatas do blecaute.

O ministro acrescentou também que problemas menores com o sistema de segurança da rede acontecem com certa frequência, mas com consequências menores. “Muitas vezes nem percebidas.”

Lobão ressaltou que os equipamentos utilizados são novos e minimizou o apagão, dizendo que "acontece em todos os países do mundo”. Ele enfatizou que, por ter ocorrido de madrugada, o impacto junto à sociedade foi menor.

O presidente da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) - responsável pela distribuição de energia na região -, Dilton da Conti, disse ao iG que o restabelecimento de energia no Nordeste aconteceu "no menor tempo possível" . "Em situações como essa não se liga seis máquinas de uma vez, mas uma de cada vez", afirmou Conti. "O entendimento da empresa é que a prioridade é o restabelecimento, que foi o possível no menor tempo possível."

O Piaí, que a princípio havia sido incluído na lista de Estados afetados pelo apagão, ficou de fora. Segundo a Cepisa/Eletrobras PI, concessionária responsável pelo abastecimento, houve um problema pontual em algumas áreas do sul do Estado, na região de Dom Inocêncio, que não tem a ver com o blecaute.

Transtornos e motim

Por conta do blecaute, que durou boa parte da madrugada, diversas ocorrências foram registradas no Estados atingidos. No Recife (PE), detentos do presídio Aníbal Bruno aproveitaram a falta de luz para atacar grupos rivais . Um homem foi morto a facadas e outro ferido a tijoladas. Ele está internado, mas não corre risco de morte. O local possui capacidade para 1.400 vagas, mas está atualmente com população superior a 4 mil homens.

Em Olinda, na região metropolitana do Estado, um grupo ateou fogo em pneus na avenida Presidente Kennedy, uma das mais movimentadas da cidade.

O hábito de ler o jornal pela manhã também foi interrompido por boa parte dos leitores do Recife e de cidades próximas. Com o apagão, a impressão dos jornais foi interrompida e desencadeou atrasos às entregas.

Em Salvador (BA), o serviço de emergência da Defesa Civil informou que recebeu inúmeras ligações de pessoas que não conseguiam se comunicar com a Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) para esclarecimentos. “Está pior do que em dia de chuva”, afirmou um atendente da Defesa Civil à reportagem durante a madrugada.

Pelo Twitter, serviço de redes sociais da web, o termo "apagão" rapidamente tomou conta das mensagens e por volta da 1h (horário de Brasília) já constava na lista mundial de termos mais citados. Internautas reclamam principalmente do calor e da dificuldade para conseguir dormir.

*Com reportagem de Andréia Sadi e Severino Motta, iG Brasília; Renata Baptista, iG Pernambuco; Thiago Guimarães, iG Salvador; e Sabrina Lorenzi, iG Rio de Janeiro

Tem informações sobre o apagão? Comente abaixo

    Leia tudo sobre: apagãoblecautenordestequeda de energialobão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG