Capacidade de transferir energia diminui no Sul e Sudeste

A capacidade de transferir energia diminuiu no Sul e no Sudeste, ao contrário das projeções do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) que servem de base para dar segurança à rede. O iG apurou que algumas metas de expansão nos sistemas de interligação das duas regiões não foram concretizadas neste ano. O problema acontece justamente nas duas regiões mais atingidas pelo apagão de terça-feira. Nas demais regiões as previsões se concretizaram.

Sabrina Lorenzi, iG Rio de Janeiro |

O Plano Anual de Operação Energética (PEN) de 2009, que estabelece diretrizes para a segurança do sistema elétrico, informa um limite de transferência de 9.350 MegaWatts médios no período de maio de 2009 a junho de 2010. No mesmo período do ano passado, o limite era de 9.400 MW médios. No plano equivalente, de 2008, o ONS projetava um aumento na capacidade de transferência, para 9.500 MW médios em fevereiro deste ano.

O Sul também não aumentou a capacidade de importar energia de Itaipu Binacional conforme mostrava o documento de 2008. O limite de transferência nas interligações, assim classificado pelo ONS, passou de 5.700 MW médios em 2008 para 6.250 MW em 2009. Mas não alcançou o volume indicado no plano do ano passado, que era de 6.500 MW médios.

As obras associadas aos incrementos que não aconteceram tratam de três linhas de transmissão: Jaguariaíva-Itararé; Maringá-Londrina Curitiba e Curitiba-Bateias.

Exportação de energia

A capacidade de exportação de energia do Sul para o Sudeste também ficou aquém do esperado. O relatório do Operador apontava em 2008 que o limite passasse de 5.500 MW médios para 5.650 MW médios, com reforços no norte do Paraná. Mas houve aumento para 5.600.

Outro estudo do ONS revela que o número de perturbações no sistema elétrico vem crescendo nos últimos anos, mas os cortes de carga que provocam falta de energia têm sido cada vez menos freqüentes no Brasil. As perturbações são falhas que atrapalham, mas não necessariamente interrompem o fornecimento de energia.

O ONS registrou 2.258 perturbações no sistema elétrico em 2008, um aumento de 10,6% sobre o total de problemas verificados em 2007. Perturbações são problemas ocorridos na rede que não resultam em interrupção no fornecimento de energia. Em quatro anos, houve um crescimento de 20,6% no número de perturbações.

Por outro lado, o número de falhas que levaram a cortes de energia diminuiu de 319 em 2007 para 266 em 2008, queda de 16%. Com isso, a quantidade de energia que deixou de ser suprida no sistema elétrico também recuou: de 15,8 mil MegaWatts/hora para 12,3 mil MW/h.

O Brasil possuía até o final do ano passado 771 circuitos de linhas de transmissão e 894 transformadores, segundo dados do ONS.

    Leia tudo sobre: apagãoblecauteenergiaenergia elétrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG