Acusações devem superar propostas no último debate em Goiás

Empate técnico entre Marconi (PSDB) e Iris (PMDB) deve esquentar os ânimos entre os candidatos na reta final

Rodrigo Viana, iG Goiânia |

O último debate entre os candidatos Marconi Perillo (PSDB) e Iris Rezende (PMDB) deverá ser marcado pela troca de acusações, a julgar pelo nível da campanha exibido nas propagandas de rádio e nas ruas.

A disputa pelo Palácio das Esmeraldas ficou mais acirrada após a divulgação ontem da pesquisa Ibope/TV Anhanguera, que apontou empate técnico entre os candidatos. 

O tucano tem 46% das intenções de voto, enquanto o peemedebista aparece com 45%.

A dificuldade financeira da Celg, o déficit do Estado e as obras inacabadas são os temas a serem  priorizados por Iris. 

Marconi, por seu turno, vai lembrar da operação da Polícia Federal (PF) em Anápolis, que resultou na  prisão de 15 pessoas do Instituto Verus, contratado pelo PMDB para realizar pesquisas qualitativas.

Em vez de fazer o  trabalho, o grupo é acusado de praticar crime eleitoral, por meio da compra de votos em favor de Iris.Outra questão a ser levantada pelo tucano diz respeito à distribuição de panfletos apócrifos contra ele pela Internet.

As coordenações de campanha, no entanto, afirmam que o debate será propositivo e que os candidatos apenas responderão o adversário se forem atacados.

A promessa foi feita antes dos debates no segundo turno, mas o andamento dos programas não foi o planejado.

No último debate, realizado pela Rádio CBN/Jornal O Popular, os gvernadoriáveis iniciaram as alfinetadas logo na apresentação e usaram todo o tempo de respostas réplicas e tréplicas para denúncias contra o adversário.

No rádio e nas ruas, é comum Iris se referir a Marconi como o “vendedor de ilusões”, em referência a promessas não cumpridas. 

O tucano costuma repetir que a campanha peemedebista "entrou em desespero".

Pela manhã, ambos se acusaram mutuamente de “baixar o nível” da campanha, mediante apresentação de denúncias. 

Apesar da queixa conjunta, nem Marconi nem Iris aprofundou as respectivas propostas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG