Médicos sem Fronteiras afirmou que a suspensão deve-se a restrição para atuação das ONGs imposta pela Itália e pela violência da Guarda Costeira

Imigrantes ficam sem resgate da ONG Médicos sem Fronteiras; entenda o motivo
shutterstock
Imigrantes ficam sem resgate da ONG Médicos sem Fronteiras; entenda o motivo


O agravamento da crise dos refugiados e a violência da Guarda Costeira da Líbia fez a organização humanitária internacional Médicos sem Fronteiras (MSF) suspender temporariamente o resgate de imigrantes no Mar Mediterrâneo, informou no sábado (12) o presidente de MSF na Itália, Loris De Filippi.

Leia também: Após silêncio do pai, Ivanka Trump se posiciona contra supremacia branca dos EUA

"Estamos suspendendo nossas atividades porque agora sentimos que o comportamento ameaçador da Guarda Costeira da Líbia é muito grave", enfatizou Filippi. Além da violência contra os refugiados, o presidente da MSF repudiou a decisão das autoridades italianas de estabelecer um perímetro que limita o acesso das organizações não governamentais (ONGs) no Mediterrâneo. "Os fatos recentes no Mediterrâneo mostram que o código de conduta é parte de um plano mais amplo que visa selar a costa e bloquear imigrantes e refugiados da Líbia", acrescentou Filippi.

Crise dos refugiados

Balanço aponta que cerca de 600 mil imigrantes chegaram a Itália nos últimos quatro anos, sendo que a grande maioria veio fugida da Líbia. O perigo neste caso está nos navios que são operados por contrabandistas líbios. A restrição imposta pela Itália tem como principal justificativa  o temor de que as ONGs estejam facilitando o tráfico de pessoas e encorajando os refugiados a tentar entrar no país.

Leia também: Enchentes e deslizamentos de terra deixam mais de 40 mortos no Nepal

Para impedir que os dois fatos ocorram de verdade, as autoridades italianas propuseram um código de conduta, em que regras são impostas as operações de resgate. O código é formado por 13 compromissos, e o principal deles proíbe as ONGs de entrar nas águas territoriais líbias, a não ser em "situações de grave e iminente perigo".

A MSF informou que, mesmo não tendo assinado e concordado com o código de conduta, o respeita e vai seguir as regras estabelecidas nas leis nacionais e internacionais.A ONG atua há mais de três anos em ações de busca e assistência médica no Mediterrâneo e com dois barcos já socorreram 19.708 pessoas entre abril e novembro do ano passado.

Após anúncio da ONG Médicos sem Fronteiras, outras duas instituuições de ajuda humanitária.  A Sea Eye, que informou "lamentar a decisão" e a Save The Children. Assim como a MSF, o aumento da violência contra imigrantes que tentam sair da Líbia em busca de uma vida mais digna em outros países. 

* Com informações da Agência Brasil e da Ansa

Leia também: Esquilo coloca fogo em fábrica de queijo e causa enorme prejuízo no Canadá



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.