Partido quer evitar discussão formal sobre o tema antes do segundo turno da corrida municipal, que acontece no próximo dia 28

Agência Estado

A Executiva Nacional do PT discutirá o julgamento do mensalão, mas só depois das eleições, disse nesta sexta-feira (19) o secretário nacional de Organização do partido, Paulo Frateschi. O assunto tem entrado em pauta nas reuniões do partido, mas a tomada de posições vem sendo adiada. Há um consenso de que é melhor aguardar o fim do julgamento, que pode coincidir com o segundo turno das eleições, para se debruçar sobre o tema. "A executiva vai discutir isso ( mensalão ), aliás, gostaríamos de já ter conversado, mas ainda não foi possível", disse.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre o julgamento do mensalão

Segundo Frateschi, não há clima de
Divulgação
Segundo Frateschi, não há clima de "enquadramento" no partido

De acordo com Frateschi, não existe clima para enquadramento partidário dos petistas julgados e condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), como o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente nacional da legenda, José Genoino, e o ex-tesoureiro Delúbio Soares. O que pode ocorrer é um pedido para que se mantenham, por ora, afastados da linha de frente na política e na sigla.

Frateschi diz ver o PT como o partido que deu a volta por cima nas eleições municipais. "Antes, os adversários diziam que nossas chances se resumiam a Rio Branco (AC). Hoje, estamos competindo com boas chances em cinco capitais, com grande possibilidade de vitória em São Paulo."

Frateschi vê o PSDB como o partido que mais encolheu até agora. "Tudo o que falavam que ia acontecer com a gente, aconteceu com eles." Segundo o petista, em São Paulo, os tucanos correm o risco de perder cidades em que tiveram longa hegemonia, como Sorocaba e Taubaté. Ele destacou o esforço que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz para ajudar os candidatos petistas Brasil afora. "Ele saiu de uma doença grave e está cansado, mas não para."

Leia também: PT resiste a ataques sobre o mensalão e reacende força de Lula nas eleições

Lula e a presidenta Dilma Rousseff vão neste sábado (20) a Campinas (SP) em apoio ao petista Márcio Pochmann, que disputa o segundo turno com Jonas Donizete, do PSB. "Lula e Dilma tinham de ir lá, pois o PT foi provocado. O outro candidato levou o Aécio ( Aécio Neves, do PSDB ), o Alckmin ( governador tucano Geraldo Alckmin ) e o Eduardo Campos ( governador de Pernambuco ) e diz que tem o apoio da presidente Dilma."

Na próxima semana, depois de visitar capitais do Nordeste - Fortaleza, João Pessoa e Salvador -, entre terça (23) e quarta-feira (24), Lula vai também a Cuiabá, na quinta-feira (25). Ele aceitou o pedido do candidato petista Lúdio Cabral, que enfrenta Mauro Mendes, do PSB, e vai subir em seu palanque.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.