PT empurra discussão sobre julgamento do mensalão para depois das eleições

Partido quer evitar discussão formal sobre o tema antes do segundo turno da corrida municipal, que acontece no próximo dia 28

Agência Estado |

Agência Estado

A Executiva Nacional do PT discutirá o julgamento do mensalão, mas só depois das eleições, disse nesta sexta-feira (19) o secretário nacional de Organização do partido, Paulo Frateschi. O assunto tem entrado em pauta nas reuniões do partido, mas a tomada de posições vem sendo adiada. Há um consenso de que é melhor aguardar o fim do julgamento, que pode coincidir com o segundo turno das eleições, para se debruçar sobre o tema. "A executiva vai discutir isso ( mensalão ), aliás, gostaríamos de já ter conversado, mas ainda não foi possível", disse.

Especial: Confira a cobertura completa do iG sobre o julgamento do mensalão

Divulgação
Segundo Frateschi, não há clima de "enquadramento" no partido

De acordo com Frateschi, não existe clima para enquadramento partidário dos petistas julgados e condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), como o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente nacional da legenda, José Genoino, e o ex-tesoureiro Delúbio Soares. O que pode ocorrer é um pedido para que se mantenham, por ora, afastados da linha de frente na política e na sigla.

Frateschi diz ver o PT como o partido que deu a volta por cima nas eleições municipais. "Antes, os adversários diziam que nossas chances se resumiam a Rio Branco (AC). Hoje, estamos competindo com boas chances em cinco capitais, com grande possibilidade de vitória em São Paulo."

Frateschi vê o PSDB como o partido que mais encolheu até agora. "Tudo o que falavam que ia acontecer com a gente, aconteceu com eles." Segundo o petista, em São Paulo, os tucanos correm o risco de perder cidades em que tiveram longa hegemonia, como Sorocaba e Taubaté. Ele destacou o esforço que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz para ajudar os candidatos petistas Brasil afora. "Ele saiu de uma doença grave e está cansado, mas não para."

Leia também: PT resiste a ataques sobre o mensalão e reacende força de Lula nas eleições

Lula e a presidenta Dilma Rousseff vão neste sábado (20) a Campinas (SP) em apoio ao petista Márcio Pochmann, que disputa o segundo turno com Jonas Donizete, do PSB. "Lula e Dilma tinham de ir lá, pois o PT foi provocado. O outro candidato levou o Aécio ( Aécio Neves, do PSDB ), o Alckmin ( governador tucano Geraldo Alckmin ) e o Eduardo Campos ( governador de Pernambuco ) e diz que tem o apoio da presidente Dilma."

Na próxima semana, depois de visitar capitais do Nordeste - Fortaleza, João Pessoa e Salvador -, entre terça (23) e quarta-feira (24), Lula vai também a Cuiabá, na quinta-feira (25). Ele aceitou o pedido do candidato petista Lúdio Cabral, que enfrenta Mauro Mendes, do PSB, e vai subir em seu palanque.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG