SIP: Modelo de financiamento dos jornais está esgotado, afirmam especialistas

Debates da Sociedade Interamericana de Imprensa apontam para desgaste do modelo de financiamento por meio da publicidade

EFE |

EFE

O mecanismo de financiamento do jornalismo impresso pela publicidade está esgotado desde o nascimento da internet e não é possível prever um modelo único de sucesso para o futuro, disseram neste sábado especialistas e acadêmicos nos debates da 68ª Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), em São Paulo.

O jornalista e professor brasileiro Rosental Calmon Alves, especialista em veículos de comunicação social da Universidade do Texas (EUA), defendeu que a sustentabilidade econômica da imprensa acontecerá a partir de vários mecanismos.

"É uma revolução comparável à de Gutenberg", disse Alves, que acrescentou que o problema não é a circulação de jornais impressos, que vem se reduzindo há 60 anos, mas a drástica queda de receita pela publicidade.

Calmon Alves disse que a crise não é o fim dos jornalistas nem do jornalismo, já que os contadores de histórias existiram "desde as cavernas", mas apelou à necessidade de criar novos modelos para subsidiar o jornalismo e diminuir a dependência da publicidade "que não vai voltar".     "É uma lógica comunicativa nova", resumiu o especialista, que previu que o jornal impresso será um produto cada vez mais caro, até se tornar um objeto de luxo de difícil venda.

O presidente do grupo Prisa, Juan Luis Cebrián, disse que "ninguém tem a resposta" sobre as novas vias de financiamento, durante um debate que analisou modelos economicamente sustentáveis para o futuro da imprensa. Cebrián, que preside o grupo editor do jornal El País , lembrou que nenhum veículo migrou do papel para versões digitais com sucesso de rentabilidade econômica. "Ninguém conseguiu rentabilizar nem migrar com sucesso" para a rede, disse Cebrián, afirmando que não existe um único modelo de negócio.

Cebrián analisou o cenário da queda de receita publicitária e explicou que para cada dólar líquido de publicidade gerado nas redes são destruídos 10 no jornal impresso. "Essa é uma revolução sangrenta", declarou Cebrián, quem antecipou que só na Espanha 7 mil jornalistas perderão o emprego em um período aproximado de três anos. Além disso, disse que as mudanças modificam a profissão jornalística e a estrutura das redações, detalhou que os produtos serão diferentes, vaticinou o desaparecimento das bancas de jornal e disse que o sistema de distribuição tradicional está "comprometido".

O presidente da Prisa disse acreditar que essas mudanças terão efeitos sobre o jornalismo investigativo porque, apesar das possibilidades que a internet oferece, não será possível manter repórteres durante vários meses em uma investigação sem saber se haverá um resultado. "Há uma ameaça real, devido à estrutura econômica do sistema, à qualidade jornalística, se não encontramos um modelo ou vários modelos que permitam monetizar toda a nossa atividade na rede", especificou. 

    Leia tudo sobre: SIP ASSEMBLEIA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG