Em comício, Lula chama militância para 'virar o jogo' nas urnas

Em Santo André, região metropolitana de São Paulo, ex-presidente diz que Brasil não seria o mesmo sem o partido

iG São Paulo |

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste domingo (23) que o Brasil não seria o mesmo sem o PT. "Quando fazem críticas ao PT, a gente tem de fechar os olhos e imaginar o País sem o PT. Sem o PT, o Brasil não seria esse País alegre que é nem esse País orgulhoso que é", afirmou em comício em Santo André, na Grande São Paulo.

A defesa do partido feita por Lula coincide com o julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), processo que envolve vários nomes petistas e virou arma eleitoral da oposição. Além disso, o fato de que Lula ter sido apontado em reportagem da revista Veja como suposto chefe do esquema do mensalão pelo publicitário Marcos Valério levou o PT e partidos aliados a divulgar nota de desagravo nesta semana .

Leia também:  Aliados do PT, membros do PMDB e PDT criticam nota

Saiba mais: PT de Haddad e PRB de Russomanno se unem em nota de apoio a Lula

Hoje, depois de lembrar greves que liderou na região em 1978, Lula disse que muitas coisas aconteceram no Brasil nesses 34 anos e que a criação do partido, em 1980, "foi praticamente o começo da conquista da democracia no País". Ainda recorrendo às greves para lembrar a força dos trabalhadores, Lula convocou a militância a "voltar a ter aquele orgulho que sempre tivemos" e "virar o jogo" nas urnas nas eleições municipais de 7 de outubro. "Vamos pegar nossa bandeira, visitar rua por rua, comércio por comércio, fábrica por fábrica e defender nosso candidato", ensinou.

Agência Estado
Lula discursa ao lado de Luiz Marinho (PT), candidato em São Bernardo. Neste fim de semana, o ex-presidente participou de comícios em cidades do Grande ABC, considerado o berço do PT.

Dirigindo-se à plateia de 1,2 mil pessoas que ocupavam a Avenida Firestone com bandeiras e cartazes, ele fez um apelo: "Quero pedir a vocês para não dar trégua e não ter raiva de ninguém nem aceitar provocação. Quem tem o partido que temos e os candidatos que temos não precisa ter raiva de ninguém."

O comício, em apoio ao candidato petista à prefeitura de Santo André, Carlos Grana, que está em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, teve a participação da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, que foi secretária na cidade durante a gestão do ex-prefeito Celso Daniel (PT). Ao lembrar o petista, Lula fez referência ao assassinato do ex-prefeito há dez anos e à acusação de que foi um crime político.

Eleições 2012: Confira a cobertura completa da corrida municipal

São Paulo:  A duas semanas da eleição, candidatos sobem tom

"Não vou falar muita coisa que aconteceu, mas os conservadores desta cidade chegaram ao absurdo de dizer que o PT tinha alguma coisa com a morte do Celso Daniel", afirmou. "Possivelmente para apagar a memória daquele que foi o melhor prefeito que esta cidade já teve."

Ainda lembrando sua trajetória política, o ex-presidente confessou que, após perder a eleição para o ex-presidente Fernando Collor de Mello, pensou em desistir. "Hoje, passado grande tempo, dou graças a Deus de ter perdido as eleições que perdi e ter chegado ao poder com a experiência e maturidade com que cheguei."

Lula aproveitou a presença da ministra para elogiar a presidenta  Dilma Rousseff . "A Miriam é como a Dilma, que dizem que é muito durona, quer mandar em tudo. Se não for durona, querem montar no cangote dela. Para proteger a mulher nós criamos a Lei Maria da Penha. Queremos que a mulher repita neste País o que a Dilma está fazendo. Não é possível governar este País se não for dura. É preciso fazer as coisas corretas como ela está fazendo."

Mensalão: Acompanhe a cobertura especial do iG sobre o julgamento

O ex-presidente criticou o atual prefeito da cidade, Aidan Ravin (PTB), candidato à reeleição e à frente nas pesquisas, por ter sido contra a doação de área para uma universidade federal e defendeu o ProUni, uma das bandeiras do candidato do PT em São Paulo, Fernando Haddad . Segundo Lula, no ABC as universidades federais terão 25 mil alunos, "o dobro do que eles (da oposição) já colocaram na USP (Universidade de São Paulo)."

Lula brincou com o fato de tomar muita água durante o discurso de 19 minutos, lembrando que está curado do câncer na laringe, mas ainda tem um edema na garganta. "Seria bom se vocês me dessem outra coisa e não água", disse.

Com Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG