PP ganha secretaria e Maluf fecha apoio a Haddad em São Paulo

Ex-prefeito se afastou dos tucanos depois que o governador Alckmin resistiu a abrir espaço para o partido na Secretaria de Habitação do Estado

Agência Estado |

Agência Estado

O PP de São Paulo decidiu apoiar o pré-candidato do PT à Prefeitura da capital, Fernando Haddad. A decisão foi confirmada depois que o presidente estadual pepista, Paulo Maluf, conseguiu emplacar um aliado na Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades. A pasta é controlada pelo PP, por meio do ministro Aguinaldo Ribeiro, que conduziu as articulações com os petistas.

Vice de Haddad:  Erundina teve votação maior em áreas ricas em 2010

Veja especial do iG sobre as eleições 2012

AE
Apoio de Paulo Maluf em São Paulo foi disputado por PSDB e PT, mas este último acabou levando


Maluf, que dará uma entrevista na segunda-feira, 18, para formalizar sua decisão, indicou para a secretaria o engenheiro Osvaldo Garcia - que é ligado, mas não filiado, ao PP paulista. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 15. Garcia assume a vaga de Leodegar da Cunha Ticoski, que passará a ocupar a Secretaria Nacional de Acessibilidade e Programas Urbanos da pasta. O partido de Maluf pleiteava a Secretaria das Cidades, mas, por enquanto, ficou com Saneamento Ambiental.

O PP estava prestes a apoiar o pré-candidato do PSDB em São Paulo, José Serra, mas se afastou dos tucanos depois que o governador Geraldo Alckmin resistiu a abrir espaço para o partido de Maluf na Secretaria de Habitação do Estado. Alckmin aceitava negociar a vaga depois das eleições, mas Maluf queria ocupar a pasta imediatamente.

Recém-separados em Fortaleza: PSB e PT tentam manter aliança estadual

Os pepistas alegam que se afastaram do PSDB porque seriam prejudicados em uma eventual coligação com os partidos aliados de Serra na eleição para vereador. Os dirigentes da sigla afirmam que ainda não fecharam o apoio a Haddad e alegam que a nomeação de um secretário não influencia essa decisão. "O cargo está em um ministério que já é do partido. Não altera nada", afirmou o secretário-geral do PP, Jesse Ribeiro.

O apoio do PP pode garantir a Haddad a maior fatia de tempo na propaganda eleitoral obrigatória. Caso confirme uma aliança com o PCdoB, os petistas terão 7min39s em cada programa, contra 6min38s de José Serra.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG