Militância petista oferece apoio ao prefeito de Recife

Por decisão da executiva nacional, João da Costa não será candidato do PT à reeleição, mas o senador Humberto Costa; dirigente local diz que intervenção 'foi erro político'

Agência Estado |

Agência Estado

Gritando as palavras de ordem, "Oh Lula, decepção, no Recife você não manda não", "Oh Nacional, que arrogância, o PT é da militância" e "O povo quer, o povo gosta, nosso prefeito é João da Costa", cerca de 150 militantes petistas aclamaram o prefeito de Recife, João da Costa, durante o seu desembarque, nesta quinta-feira, no aeroporto internacional dos Guararapes, em Recife.

Candidato do PT: Humberto Costa quer se reconciliar com prefeito de Recife

Com faixas, cartazes e muito barulho, eles demonstraram indignação com a executiva nacional do partido, que impôs o nome do senador Humberto Costa como candidato à prefeitura da capital. Durante o protesto, os militantes chegaram a interditar, por alguns minutos, a saída de veículos na área de desembarque.

Leia mais: Humberto Costa é o candidato do PT à Prefeitura de Recife

Em meio ao tumulto, o prefeito concedeu rápida entrevista, sem antecipar como reagirá à imposição do partido. "Não tive nenhum convencimento político para o ato tomado", afirmou ele, que irá se reunir com seu grupo político para tomar uma decisão. Entre as alternativas, está a possibilidade de recurso à direção nacional e até à justiça comum, pelo direito de disputar a reeleição.

Leia também: PT pode fechar com Erundina ou Leci Brandão na vice

"O caso não está encerrado", afirmou o presidente do PT municipal, Oscar Barreto, para quem a intervenção da executiva "foi um erro político".

O ex-presidente do PT estadual, Jorge Perez, destacou que o prefeito tem sido bem avaliado e que a vontade da base não foi levada em conta. "Se é para ter Humberto, porque ele não pode ser escolhido em prévias?", indagou.

Humberto Costa manteve o discurso de conciliação em entrevistas em Recife. Ele disse que irá conversar com o prefeito João da Costa "o mais rápido possível" e pedir seu apoio político. Sem se considerar fruto de uma intervenção, ele disse ter aceitado uma "convocação do partido e do presidente Lula" com a missão de unir o partido internamente e construir a unidade com os aliados da Frente Popular, que é comandada pelo PSB do governador Eduardo Campos. 

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG