Concerto com peças de Wagner é cancelado em Israel por causa de críticas

Compositor alemão era um dos músicos preferidos de Hitler

EFE | - Atualizada às

EFE

Reprodução
O compositor Richard Wagner

A Universidade de Tel Aviv cancelou o concerto que deveria apresentar peças do compositor alemão Richard Wagner depois de receber fortes pressões por partes de grupos de sobreviventes do Holocausto.

O concerto estava previsto para 18 de junho e despertou inúmeros protestos, especialmente por parte de sobreviventes da barbárie nazista, por causa do anti-semitismo do compositor germânico, um dos músicos preferidos de Hitler.

Siga o iG Cultura no Twitter

Em comunicado, a Universidade de Tel Aviv expressou as razões de sua decisão: "Nos ocultaram de forma deliberada esse fato fundamental (...) Recebemos fortes protestos e recomendações para suspender esse evento, que poderia ofender profundamente o público israelense em geral e, em particular, os sobreviventes do Holocausto", diz o documento dirigido a Yonathan Livni, fundador da Sociedade Wagner Israel, encarregada de organizar o evento.

O concerto também deveria contar com a participação de uma orquestra integrada por 100 músicos, que seriam regidos pela batuta do maestro Asher Fisch. Cópias da carta foram remetidas ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e ao titular de Educação, Gideon Sa'ar.

A figura de Wagner continua sendo um tabu em Israel. O maestro argentino-israelense Daniel Barenboim, um apaixonado pela obra de Wagner, pôde vivenciar todas as dificuldades de interpretar peças do compositor alemão em Israel. Em 2001, quando o mesmo regia partes de "Tristão e Isolda", o público abandonou seu concerto.

    Leia tudo sobre: músicaerudito

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG