"O Dom Pedro de Portugal não tem nada a ver com o do Brasil"

Na segunda parte da entrevista, Laurentino Gomes fala sobre a imagem de Dom Pedro e sua tarefa de viabilizar o Brasil

Pedro Alexandre Sanches, especial para o iG | 05/09/2010 10:22

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

Foto: Divulgação

Laurentino Gomes no Museu do Ipiranga

Com 50 mil exemplares do livro 1808 vendidos em Portugal, Laurentino Gomes remexe não apenas no modo como o Brasil se vê no novo 1822, que chega às livrarias numa primeira tiragem de 100 mil exemplares. Remete-se também à estranha relação de não-reconhecimento entre Portugal e esta sua ex-colônia. Seu segundo livro revê a história dos dois lados do oceano Atlântico, a partir do personagem Dom Pedro I e de seu duplo (e crucial) papel tanto para lá como para cá.

Se revalida um lado histriônico, narrando por exemplo a dor de barriga do príncipe Pedro às margens do riacho do Ipiranga, flagra também uma figura heroica, até mesmo trágica à beira da morte precoce, aos 35 anos. Neste trecho da entrevista, Laurentino fala sobre a tarefa de viabilizar o Brasil cumprida por Dom Pedro e o que essa história pode ensinar para um país que “está tentando se encontrar”. Leia também a primeira e terceira parte da conversa.

iG: Você cita em 1822 como Brasil e Portugal desconhecem a história um do outro – como o Dom Pedro I daqui é totalmente diferente do de lá, por exemplo.
Laurentino: Conto em detalhes o que aconteceu com Dom Pedro depois de ele abdicar do trono brasileiro. Geralmente, os brasileiros acham que ele evaporou no ar, sumiu. E não, ele voltou para Portugal para enfrentar o irmão numa guerra épica entre liberais e absolutistas. Venceu essa guerra, mesmo tendo tudo contra ele – desembarcou na cidade do Porto com 7 mil soldados, e o irmão tinha 80 mil. E virou o jogo, ganhou a guerra, se revelou um general carismático, brilhante, que passava as noites nas trincheiras ao lado dos soldados. Morreu em seguida, porque a guerra contra o irmão destruiu a saúde dele. A autópsia revelou um corpo destruído: tuberculose, sífilis, o coração e o baço inchados, o pulmão sem funcionar. Se você compara as iconografias, o Dom Pedro IV de Portugal não tem nada a ver com o Dom Pedro I do Brasil. Aqui é um rapaz quase imberbe, muito jovem, um príncipe de 23 anos que faz a independência. Lá, não, é um rei envelhecido, com olheiras, a barba comprida. É como se o Dom Pedro de Portugal fosse o pai ou o avô dele. Até na iconografia esses dois países não se reconhecem no mesmo personagem. Ele passou a vida dividido entre os negócios de Portugal e do Brasil, tentando equilibrar esses dois pratos. E depois da morte continua dividido: o coração está guardado na cidade do Porto e os restos mortais, aqui no Ipiranga. É um personagem que passa para a história de uma forma muito pejorativa, como se fosse apenas um mulherengo, boêmio, inconsequente. Ele era, sim, mas não era só isso. É um grande transformador da realidade de Brasil e de Portugal naquele momento, um chefe liberal. Outorgou ao Brasil em 1824 uma das Constituições mais liberais do mundo na época – mas ele outorgou, não deixou a Constituinte fazer. É um homem de índole autoritária e discurso liberal. Admirador de Napoleão, que tinha feito o pai dele fugir de Portugal. Foi parente duas vezes de Napoleão, nos dois casamentos.

iG: Chama atenção nos dois livros o fato de você retratar não só Dom Pedro, mas todos esses personagens de modo respeitoso, sem se deter só no lado pejorativo.
Laurentino: É, vejo que a história às vezes é muito maniqueísta. De um lado é a história oficial, que celebra os heróis nacionais, pessoas impolutas… Amigos historiadores fizeram observações que fiquei chocado: “Mas você vai mesmo dizer que Dom Pedro estava com dor de barriga no grito do Ipiranga?”. Por que não, se ele estava? “Não fica bem, isso é um detalhe secundário, para que dizer isso? Para que dizer que ele tinha tantas amantes, tantos filhos bastardos?” É um jeito de ajeitar a história com a mão. E tem o outro lado, que é um esforço de desqualificação da história. Não é recente, no livro de Paulo Setúbal, As Maluquices do Imperador (de 1927), já tinha esse viés de desqualificar o passado. Com uma pesquisa séria, equilibrada, a constatação é que a história é feita por gente, gente de carne e osso, ponto. Por mais humilde e desconhecido, qualquer ser humano tem uma história espetacular para contar se você jogar luz em cima dele. E os reis também são assim. Dom Pedro tinha amigos desqualificados, fazia negócios escusos, mas é um príncipe que faz a independência do Brasil aos 23 anos, governou o Brasil em meio a uma crise horrorosa, depois foi a Portugal e recuperou o trono que o irmão tinha usurpado. Não é ser leniente com o personagem, relevar seus defeitos e os erros que cometeu, mas também não julgá-lo. Quando dá dimensão humana aos personagens, a história também fica mais assimilável para um público mais leigo, mais amplo, estudante, adolescente, criança.

iG: Existe uma visão muito mais negativa desses personagens do que eles foram de fato? Por quê?
Laurentino: Houve uma ruptura fortíssima no processo político, que é a Proclamação da República. Isso só aconteceu no Brasil. Nos outros países da América, os “pais da pátria” são os mesmos, fizeram a independência e criaram a república. São celebrados até hoje pelo mesmo regime político, que se legitimou desde então. No Brasil, não. Durante 77 anos houve uma monarquia que celebrava seus heróis, e aí vem uma república que rompe com esse modelo. Ela precisa se legitimar, então o que faz? Desqualifica o período anterior. Todos os heróis da monarquia são desqualificados de propósito pela república. Dom João VI vira um bobalhão comedor de franguinhos, Dom Pedro é um sujeito devasso. E aí começa outra construção mitológica, republicana. Acham um sujeito chamado Tiradentes, que passa mais de 100 anos incógnito na história do Brasil, porque tinha sido executado pela monarquia. Na república, começa essa construção do Tiradentes como um herói do espírito nativista, das liberdades civis. É uma construção muito bem-sucedida, porque apela ao imaginário religioso do povo, a associação de Tiradentes e Jesus Cristo. É uma construção muito difícil, porque quando a corte chega a gente tem uma pequena elite ilustrada imperial tentando organizar uma grande geleia geral embaixo, constituída por escravos, analfabetos, pobres, mestiços, índios, mulatos, gente completamente à margem de qualquer oportunidade. Dom João VI cria o Estado brasileiro, e não existe sociedade embaixo. Tinha elite, mas não tinha povo. Nos Estados Unidos é o oposto, lá em 1776 havia uma sociedade alfabetizada, porque eram protestantes, precisavam alfabetizar os escravos, que liam a Bíblia em casa e nos cultos dominicais, com alto senso de participação comunitária. Essa sociedade relativamente organizada cria o Estado norte-americano. São processos inversos. Essa nossa construção nacional de cima para baixo vem até 25 anos atrás, quando, aí sim, pela primeira vez a gente tem democracia e participação de todos. Ela se reflete hoje numa estranheza da sociedade brasileira em relação às instituições nacionais que estão em Brasília. As pessoas dizem “o Congesso é corrupto mesmo”, “vamos votar nulo”, “a Justiça não funciona”. A gente não se reconhece no que está em Brasília, não porque poderia existir lá alguma coisa muito melhor ou pior que a média da sociedade brasileira. O que está lá é um espelho do que nós somos. Mas porque o povo não foi chamado a participar da construção das instituições, então ele não se reconhece. Fica uma ilusão de que se a gente tivesse sido chamado a participar teríamos construído alguma coisa melhor.

iG: Nós teríamos?
Laurentino: Acho que não, dadas as condições que tivemos até agora. Provavelmente no futuro vai ser melhor, sim, porque a gente está distribuindo renda, acabando com o analfabetismo, promovendo as pessoas – o Brasil está melhorando. Mas o Brasil sonhado é melhor que o real, então temos uma crise de autoestima gravíssima. É curioso observar como a elite batiza seus condomínios, Costa Malfitana, Maison Versailles. Você projeta lá fora uma coisa, como se dissesse: “Moro num edifício chamado Maison Versailles, sou francês, não vou me misturar com esse bando de gente pobre e analfabeta aí na rua”. Mas esse espírito de viralatismo do Brasil de hoje se projeta na história também. É como se a nossa história fosse viralata também. Fiz essa volta toda para chegar à sua pergunta: nossos heróis também são viralatas, nossa origem portuguesa é viralata. É como se a colonização portuguesa fosse pior que a média das outras colonizações, o que é besteira, porque colonização é colonização em qualquer lugar do mundo. É exploração, opressão. Então acho que está na hora de fazer uma coisa um pouco mais equilibrada, tanto em relação aos personagens quanto ao próprio Brasil. Observar o passado e ver que não é só problema. Há no passado virtudes, a chamada de capa do 1822 é “como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram Dom Pedro I a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado”. Aí você vira para a contracapa: “…e no entanto deu certo”. O país podia ter se inviabilizado na independência, a chance de dar errado era muito maior do que de dar certo.

iG: E é admirável que não tenha se inviabilizado, não?
Laurentino: É uma virtude. Bem ou mal, por uma combinação de sorte, acaso, improvisação, mas também de alguma sabedoria de figuras como José Bonifácio, o país foi se viabilizando na sua forma atual. Isso é um sinal para otimismo – não que a gente deva aceitar o Brasil que está aí, corrupto, desigual, violento, ineficiente. Mas este país conseguiu chegar até aqui resolvendo problemas muito mais graves que os que a gente tem hoje. Quando falo da origem colonial, da opressão, das desigualdades, me perguntam se sou pessimista em relação ao futuro do Brasil, e digo que não, porque a rigor a gente está construindo este país mesmo de 25 anos para cá. Não tem outro jeito de construir um país, é por democracia, participação de todos, é isso aí. Apesar da aparente calmaria e pasmaceira desta campanha eleitoral entre Serra e Dilma, que são pessoas sem nenhum carisma, o Brasil está passando por um momento de reflexão muito grande a respeito de si. É um bom sinal.

iG: Este Brasil que tenta se olhar mais no espelho, se compreender, explicaria o sucesso inesperado do seu primeiro livro?
Laurentino: Ah, eu acho. As pessoas não estão lendo história do Brasil apenas em busca de personagens pitorescos. Não, elas estão em busca de explicações para o Brasil de hoje. Não é achômetro meu, tenho observado isso nas mais de 200 palestras que dei pelo Brasil. Falo de um evento de 200 anos atrás, e quando jogo para a plateia imediatamente a discussão vem para o Brasil de hoje. São perguntas assim: “E a corrupção, de onde vem?”, “a herança portuguesa foi boa ou ruim para o Brasil?”. Não dá para dizer que a culpa da corrupção é de Portugal, é só o que faltava, estamos conduzindo este país há 200 anos e vamos dizer que o culpado é português? Também não é verdade que a origem colonial defina de modo automático o sucesso ou o fracasso de um país. A África do Sul foi colonizada por ingleses e holandeses, deu no país mais racista do mundo. O Haiti, colonizado por franceses, é hoje o país mais pobre do mundo. Congo, colonizado por belgas, está mergulhado em guerra civil, mesma coisa da Etiópia e da Somália, que foram colonizadas por italianos. É essa síndrome do viralatismo que faz com que Portugal pague o pato. Não, são nossas raízes históricas que nos trouxeram até aqui assim.

iG: Quem está lendo 1808? Quem vai ler o segundo?
Laurentino: Acho que todo mundo está lendo. Dei palestra em Ourinhos e estava cheio de estudante, até na calçada, uma coisa linda. Tiram foto no celular, mandam eu fazer bilhetinho naqueles cadernos com abelhinha (risos). Já falei para generais, juízes, empresários, professores. É um livro que conseguiu pegar quase toda a faixa da população que se interessa por leitura. E atingiu inclusive um público que não estava lendo, modestamente também pelo trabalho de divulgação que fiz. Fui a lugares a que autor normalmente não vai: TV evangélica, TV católica, Globo Rural, canal em que eu tinha que jogar videogame com o apresentador (risos). Fui numa rede evangélica, era um programa jovem, tinha uma menininha de minissaia que cantava “saia, saia da contramão, Jesus é a solução” (risos). Dois meses depois comecei a viajar pelo Norte e Nordeste e comecei a encontrar a audiência dessa rede, que é pessoa mais conservadora, mais velha, interiorana, e que segue ao pé da letra o que o pastor manda. Ou seja, é gente que não frequenta a Livraria Cultura ou Saraiva, não lê caderno de cultura do Estadão e da Folha, não lê o iG. Se você não vai lá, não consegue atingir essa audiência. Você vê que é gente mais conservadora, que só vê aquele canal, dogmática…

iG: Mas é meio a mesma metodologia dos livros, você trata com respeito esse público, e ele escuta você.
Laurentino: Ah, sim, não estou desqualificando, trato com o maior respeito, são pessoas simples. Dei uma entrevista na rádio Eldorado, eu falando, falando, falando, tinha um zelador de uniforme azul, parou, ficou olhando, pessoa muito simples. Quando saí, ele falou: “Esse seu livro aí, onde eu acho? Eu queria comprar para o meu filho”. É isso, é incrível. Aí surge do meu lado um senso de missão muito forte. É legal vender livro, ganhar prêmio, mas aonde isso leva? Não sei, já tenho uma casa, um carro, o que mais? Aí você vê que está mexendo com a vida das pessoas, transformando, lidando com educação. Ouço coisas incríveis, adolescentes dizendo “eu não gostava de história, depois que li seu livro estou gostando”, “por sua causa decidi ser jornalista”, “decidi ser historiador”. O livro tem um poder enorme, é um objeto de transformação mesmo, uma criatura que você solta no mundo e ela vai transformando tudo que encontra pela frente. E a minha contribuição é de linguagem, de linguagem jornalística. Não é que fui lá descobrir um personagem ou acontecimento novo. Não, peguei a história que já estava aí contada pelos historiadores e converti num livro de linguagem acessível ao leitor comum. Mas as pessoas vêm me dizer coisas assim: “Que bom que você veio escrever a verdadeira história do Brasil”. É uma coisa que eu não fiz, não escrevi uma outra história. Por tudo que a gente falou, mas também por um problema de linguagem, existe a sensação no brasileiro de que há uma agenda oculta, como se houvesse uma história escondida, ainda para ser revelada.

iG: Não seria algo até sofisticado, de que quem lê percebe que não é um livro sobre mocinhos e bandidos?
Laurentino: Talvez, talvez seja isso. Essa história foi tão manipulada até hoje, e não é só característica do Brasil. Manipular o passado em favor de bandeiras políticas do presente é da natureza de qualquer sociedade, democrática ou não democrática. Não é à toa que Lula repete com tanta frequência “nunca antes na história deste país se fez tal coisa”. Ele está tentando reescrever o passado para justificar o governo dele. Ele faz isso, o regime militar fez, Getúlio Vargas fez, a monarquia fez, todo mundo fez. Mas essa história foi tão manipulada o tempo inteiro que o brasileiro de hoje, que está neste momento de grande reflexão, entende corretamente que há uma agenda escondida mesmo dentro da história do Brasil. Quando alguém conta uma história jornalística, feita com certa isenção e equilíbrio, tratando os personagens de modo divertido, mostrando o lado bizarro, mas também mostrando a obra política corajosa que fizeram, ele aí tem um deslumbramento: a história foi revelada.

Leia também a primeira e terceira parte da conversa.

Assista abaixo ao vídeo em que Laurentino Gomes explica 10 lições valiosas para escrever um bom livro:

 

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo