11 de Setembro

enhanced by Google
 

Perguntas sem respostas ainda rondam o 11 de Setembro

Dez anos depois, cientistas pedem nova investigação sobre os ataques que deixaram quase 3 mil mortos em Nova York, Washington e Pensilvânia

Marsílea Gombata, iG São Paulo | 07/09/2011 08:00

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Dez anos depois, o 11 de Setembro ainda está envolto em mistérios, explicações que não satisfazem a todos e muitas perguntas sem respostas. Em meio a diversas teorias que levantam a possibilidade de os ataques terem sido um plano arquitetado pelas autoridades americanas - pelo fato de as ações coordenadas terem sido lançadas por terroristas sem grandes conhecimentos técnicos e de o então presidente George W. Bush (2001-2009) ter tido pressa em invadir o Afeganistão menos de um mês depois -, acadêmicos e especialistas se baseiam em evidências científicas para pedir uma nova investigação dos atentados terroristas.

Foto: Getty Images

Fumaça sai das Torres Gêmeas do World Trade Center após a colisão dos dois aviões sequestrados por terroristas. Nova York, 11 de Setembro de 2001.

Entre os grupos que refutam a versão oficial do governo americano, de que o 11 de Setembro foi arquitetado e executado pela rede Al-Qaeda do saudita Osama bin Laden, há centenas de civis, físicos, engenheiros, militares, pilotos e até mesmo sobreviventes.

O principal ponto de discórdia entre o governo e os insatisfeitos com a versão oficial refere-se ao colapso das Torres Gêmeas do World Trade Center (WTC), em Nova York. Enquanto autoridades afirmam que os prédios caíram pelo impacto dos aviões, cujo incêndio subsequente levou ao derretimento das estruturas metálicas internas, os mais desconfiados argumentam que o colapso quase simétrico dos edifícios seria impossível a menos que ocorressem explosões controladas nas estruturas internas. “O argumento das autoridades viola diversos princípios da física”, disse ao iG o professor de teologia americano David Griffin.

A opinião é compartilhada pelo o físico Steven Jones, licenciado da Brigham Young University, em Utah (EUA). Segundo ele, a cor avermelhada encontrada em resíduos da poeira do 11 de Setembro indicaria a presença prévia de material explosivo, o que permanece sem explicação por parte das autoridades americanas.

Para James Hufferd, da organização 911 Truth Grassroots (Grupo de Base pela Verdade no 11/9, em tradução livre), “mesmo com ataques na parte superior das torres, o material inferior poderia ter resistido ao impacto dos aviões”. “A menos que o material do edifício fosse pulverizado, o que só ocorreria com superexplosões, os prédios não poderiam cair da maneira como caíram. Tudo leva a crer que detonadores foram postos por pessoas que conheciam o prédio e não por terroristas”, disse.

Ao seu lado, o grupo Scholars for the Truth (Acadêmicos pela Verdade, em tradução livre) argumenta em seu site que a queda da Torre Norte e da Torre Sul, cada uma com 110 andares, e do prédio 7, de 47 andares, do WTC são “os únicos três casos na história de altas estruturas de aço que desmoronaram por completo em decorrência apenas de um incêndio”.

Dentre aqueles que duvidam da versão oficial do ataque contra o Pentágono, em Washington, outro alvo do 11 de Setembro, está o grupo Pilots for Truth (Pilotos pela Verdade, em tradução livre). Em seu site, eles afirmam que não teriam sido encontradas marcas de asas de avião ou destroços no local do impacto.

Em artigo escrito em 2005, Griffin estranha o alerta dado por Bush e pelo diretor da Comissão Nacional 11/9, Philip Zelikow, para haver cuidado com “teorias conspiratórias ultrajantes” sobre os ataques.

“O que esses homens querem dizer com isso? Não podem querer dizer que devemos rejeitar todas as teorias da conspiração sobre o 11 de Setembro porque a própria explicação do governo é uma teoria da conspiração, sendo os conspiradores todos membros da Al-Qaeda”, acusa no artigo publicado no site 911review.com.

Foto: AFP

Torre do Sul do World Trade Center entra em colapso no 11 de Setembro de 2001 em Nova York

Na mesma linha, a reação incomum de Bush, que não atuou imediatamente à notícia dos ataques ao WTC quando visitava uma escola na Flórida, também entra no rol de argumentos que desafiam a versão oficial dos ataques. (Veja infográfico com cronologia do 11 de Setembro)

Leia a seguir as principais perguntas sem respostas, e algumas contestações contrapostas à versão oficial, sobre os ataques do 11 de Setembro.

1. Fogo
A teoria oficial é vista como problemática por afirmar que o colapso das torres foi causado não apenas pelo incêndio, mas por uma combinação de fogo e danos nas estruturas no momento do impacto dos aviões. Segundo seus contestadores, além de o fogo decorrente do impacto ser incapaz de derreter estruturas de aço, as torres foram desenhadas para resistir ao impacto de aviões tão grandes quanto Boeings 707 e até mesmo furacões e bombas.

Em resposta a tais argumentos, o Instituto Nacional de Padrões e Teconologia (NIST, na sigla em inglês) – responsável pela investigação dos ataques ao WTC – disse em 2006 que as torres foram projetadas para resistir a impactos múltiplos de Boeings, mas foram destruídas por um 767 porque o choque de aviões danificou as colunas do prédio, prejudicando a resistência a incêndios e dispersando combustível nos andares, terreno fértil para o fogo se espalhar pós-ignição em diversos pisos e levar à queda simétrica dos prédios. A explicação oficial foi confirmada ao iG pelo ex-chefe dos bombeiros de Nova York Vincent Dunn, especialista em incêndios em prédios altos.

2. Aço
O derretimento do aço nas estruturas internas das torres também é visto com desconfiança. Para conseguir derreter o aço são necessárias temperaturas que ultrapassem os 1.537º C. Cientistas observam que a energia decorrente de explosões com hidrocarbonetos, que são combustíveis de aeronaves, como querosene, podem chegar no máximo a 926,6º C, ou seja: cerca de 610 graus abaixo do necessário para o ponto de derretimento do aço.

Segundo o NIST, no entanto, quando o aço atinge 1.000º C começa a amolecer e sua resistência diminui até chegar a 10% de sua capacidade inicial. Esse amolecimento teria levado ao colapso dos edifícios.

3. Nuvens de poeira
Outro sinal de que haveria explosão controlada nas torres seria a presença de nuvens de poeira, que ocorrem quando explosões expulsam a poeira do edifício com grande energia. Segundo Griffin, o colapso das torres produziu nuvens muito similares às observadas em demolições controladas de prédios e estruturas grandes, com a diferença de que a proporção de fumaça durante a queda das torres era muito maior.

Foto: AP

Pessoas cobertas de poeira caminham sobre os destroço do World Trade Center de Nova York no 11 de Setembro de 2001

De acordo com o NIST, a queda dos edifícios comprimiu o ar, forçando fumaça e dejetos para fora das janelas, enquanto os pisos caíam em sequência. Esse tipo de jato (de fumaça e poeira) é esperado, de acordo com o instituto, desde que o ar no interior do prédio seja comprimido enquanto o prédio desmorona.

4. Barulho de explosões
Em relatos, alguns sobreviventes e mesmo equipes de emergência enviadas para o resgate no WTC afirmam ter ouvido barulhos de explosões antes e durante a queda dos edifícios. “Originalmente, pensamos que havia detonações internas e explosivas, porque foi uma sucessão de boom, boom, boom, boom, e então a torre caiu”, disse o bombeiro Edward Cachia ao jornal americano The New York Times em dezembro de 2001.

5. Colapso abaixo da zona de impacto
De acordo com a versão oficial, o “efeito panqueca” de um andar desmoronar sobre o outro começou quando andares acima do rombo deixado pelos aviões caíram sobre os andares de baixo. Testemunhas, no entanto, dizem que o colapso da Torre Sul (a primeira a desabar) começa em um ponto abaixo da zona de impacto.

O NIST, porém, afirma que a queda começou do topo para o chão e disse não haver evidências coletadas pelo órgão, pela polícia de Nova York, bombeiros ou mesmo pela Autoridade Portuária de quaisquer explosões na região sob a zona diretamente atingida pelos aviões.

Além disso, de acordo com o ex-chefe dos bombeiros Dunn, como cada andar suportava o peso apenas do andar imediatamente acima, assim que os andares mais altos começaram a desmoronar pela destruição causada pelo fogo, todos os andares foram pressionados consecutivamente. Isso ajuda a explicar por que os prédios desabaram completamente: assim que os andares superiores começaram a desabar, a pressão sobre os andares mais baixos era superior ao que eles podiam aguentar.

<span>Uma semana antes do atentado, torres do World Trade Center se destacavam na paisagem</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Avião bate contra Torre Sul do World Trade Center em 11 de Setembro de 2001</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Torre Sul do World Trade Center explode após impacto de voo 175 da United no 11 de Setembro</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Assessor informa Bush sobre colisão de segundo avião contra WTC</span> - <strong>Foto: AFP</strong> <span>Torres Gêmeas ardem em chamas após ataques com aviões</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Bombeiro caminha em direção a Torres Gêmeas no 11 de Setembro</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Fumaça de incêndio é vista no centro financeiro de Nova York</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Fogo e impacto de aviões danificaram estrutura dos prédios</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Nova-iorquinos observam as torres do World Trade Center em chamas no centro financeiro de NY</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Fumaça negra era vista na ponte do Brooklyn enquanto as pessoas deixavam a ilha de Manhattan</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>A torre sul do World Trade Center desaba no centro financeiro dos Estados Unidos</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Escombros das Torres Gêmeas momentos após seu desmoronamento</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Nuvem de poeira toma conta do sul de Manhattan após a queda das torres do WTC</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Pessoas fogem desesperadas após o colapso das torres do World Trade Center</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Pessoas tentam se proteger de poeira produzida por colapso das Torres Gêmeas ao caminhar no sul de Manhattan no 11 de Setembro de 2001</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Bombeiro fica coberto de poeira após o colapso do World Trade Center</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Prédio Empire State é visto tendo como de fundo poeira deixada pelo colapso do WTC</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Trabalhadores da região sul de Manhattan deixam suas lojas e se protegem da poeira após queda das torres</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Bombeiro de Nova York descansa durante operação de resgate na região do World Trade Center</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Muitos bombeiros perderam a vida tentando salvar as pessoas dentro dos prédios</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Destroços do World Trade Center soltaram fumaça dias após os atentados</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Destroços do World Trade Centes vistos quatro dias após os ataques</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Dias após o atentado, região sul de Manhattan ainda estava coberta pela fumaça e poeira</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong> <span>Visão noturna do sul de Manhattan dias após os ataques</span> - <strong>Foto: Getty Images</strong>

6. Pulverização
Um outro indicativo de demolição controlada, segundo especialistas, seria a presença de muita poeira decorrente da destruição do material de construção das torres, como afirmou ao History Channel o coronel John O’Dowd da equipe de engenharia das Forças Armadas americanas. “Por todos os lados do WTC parecia que tudo havia sido pulverizado”, disse ao canal em 2002.

O fato, segundo cientistas, seria um problema para a versão oficial, que se baseia na gravidade para explicar a destruição das estruturas. A energia gravitacional poderia ser forte o suficiente para quebrar a maior parte do concreto em pedaços muito pequenos, mas não conseguiria transformar concreto e estruturas não metálicas dos prédios em partículas de poeira.

7. WTC 7
O colapso do prédio 7 do WTC é ainda mais difícil de explicar por que não foi atingido por nenhuma aeronave. Assim, cientistas afirmaram que nenhuma das justificativas de colapso das estruturas apresentadas pela comissão investigadora do governo podem ser utilizadas para explicar o edifício que caiu às 17h21 de 11 de Setembro, quase nove horas depois do primeiro ataque contra as torres. Segundo especialistas que pedem uma nova investigação, o WTC 7 é o primeiro prédio construído com aço a desmoronar sozinho.

8. Pentágono
Em Washington, o ataque ao símbolo da Defesa dos EUA, o Pentágono, também levantou dúvidas e perguntas sem respostas. Muitos estranham a pressa do FBI em recolher gravações do circuito interno de câmeras imediatamente após a explosão, assim como o fato de as fitas disponíveis não mostrarem o choque de um avião 757 ou mesmo marca das asas.

A funcionária April Gallup, que no dia em que o Pentágono foi atingido voltava ao trabalho da licença-maternidade, disse não ter visto avião algum no momento do ataque à sede do Departamento de Defesa.

Foto: Getty Images

Vista do Pentágono após ataque terrorista em 11 de setembro de 2001

“Sei que vi concretos, blocos, computadores, mesas, tudo destruído”, contou em entrevista de 2007 ao programa Guns & Butter da rádio americana KPFA. “Naquele dia especifico não havia alarmes, alertas, nada. É impressionante. Me pergunto qual a probabilidade de, naquele dia específico, não haver alarmes ou alertas?”, questionou.

Em entrevista à CNN em 15 de setembro de 2001, ex-presidente egípcio Hosni Mubarak (aliado dos EUA), que é piloto de formação, estranhou o fato de um avião ter conseguido chegar ao Pentágono sem obstáculos. “Quem o fez, deve ter sobrevoado a área por muito tempo. O Pentágono não é muito alto. Um piloto que pode se aproximar dele dessa maneira deve ter sobrevoado muito a área para conhecer os obstáculos que poderia encontrar”, disse o ex-líder egípcio.

Ao iG, Griffin ressaltou também que “o trajeto feito pelo avião que atingiu o Pentágono era tão confuso que pilotos de 757 experientes disseram ser impossível ser feito por um amador, como supostamente era o terrorista Hani Hanjour”.

9. A reação do então presidente George W. Bush
Quando recebeu a notícia do ataque à primeira torre do WTC, Bush estava a caminho de uma escola na Flórida, mas mesmo assim decidiu manter a programação. Ao receber a notícia da segunda torre atingida, o então presidente participava da leitura de um livro infantil e quase não esboçou nenhum espanto, permanecendo na sala de aula com os alunos.

Foto: AP Ampliar

Chefe de gabinete Andy Card avisa o presidente George W. Bush de ataque com aviões contra o World Trade Center durante uma visita a uma escola na Flórida

A atitude considerada “estranha” por alguns críticos foi retratada no filme Fahrenheit 9/11, de Michael Moore. Criticado por ter permanecido na sala de aula com os alunos, Bush explicou neste ano que sua reação teve a intenção de não causar pânico.

Entre os que acreditam que o 11 de Setembro não foi obra de extremistas muçulmanos, muitos apostam que o governo americano esteve por trás dos atentados. “Eles não querem uma nova investigação porque isso implicaria em mostrar o verdadeiro terrorista por trás do 11 de Setembro, que não são membros da Al-Qaeda”, disse Hufferd.

“Para mim é muito claro que o 11 de Setembro é uma suposta operação terrorista para dar ao governo desculpas para invadir o Afeganistão. Eles fizeram de tudo para levar o Congresso e o povo americano a pedir vingança.”

Segundo Griffin, o 11 de Setembro surgiu como “pretexto também para a guerra no Iraque, um enorme aumento dos gastos militares e para a doutrina de que os EUA poderiam atacar quaisquer nações que representassem ameaça iminente”.

Uma atmosfera de terror pós-ataques que teria levado a “crimes de guerra contra a democracia”, segundo artigo de 2010 da neurocientista canadense Laurie Manwell, especialmente depois do Patriot Act, controvertida medida que prevê espionagem de cidadãos, escutas telefônicas e invasão de lares de suspeitos.

A legislação, aprovada pela primeira vez pelo Congresso americano em 26 de outubro de 2001 durante a gestão Bush, foi prorrogada em 26 de maio deste ano pelo presidente Barack Obama.

Segundo Jonathan Kay, autor do livro sobre teorias conspiratórias relacionadas ao 11 de Setembro "Among the Truthers – A Journey Through America’s Growing Conspiracist Undergound" ("Entre os Íntegros - Uma Jornada Através do Crescente Submundo Conspiratório", em tradução livre), a ameaça terrorista substituiu o perigo comunista, novamente com efeitos diretos na consciência coletiva e nas vidas dos americanos.

Assista ao vídeo sobre os ataques do 11 de Setembro:

*Com colaboração de Carolina Cimenti, de Nova York, especial para o iG

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG


Previsão do Tempo

CLIMATEMPO

Previsão Completa

  • Hoje
  • Amanhã

Trânsito Agora

INDICADORES ECONÔMICOS

Câmbio

moeda compra venda var. %

Bolsa de Valores

indice data ultimo var. %
  • Fonte: Thomson Reuters
Ver de novo