Papa realiza missa em homenagem ao 11 de Setembro

Em Ancona, na Itália, Bento 16 pediu à comunidade internacional que rejeite a violência e resista ao ódio

AFP |

O Papa Bento 16 fez um apelo aos políticos a "resistir à tentação do ódio", neste domingo, em Ancona, durante missa por ocasião do décimo aniversário dos atentados do 11 de Setembro e na prece do Ângelus.

"Lembrando ao Senhor as vítimas dos atentados cometidos naquele dia e suas famílias, convido os dirigentes das Nações e os homens de boa vontade a rejeitar para sempre a violência como solução para os problemas e a resistir à tentação do ódio", declarou o papa.

Bento 16 também pediu aos políticos que "trabalhem na sociedade inspirando-se nos princípios de solidariedade, de justiça e paz".

O papa celebrou a missa ao ar livre, no canteiro naval de Fincantieri, para dezenas de milhares de pessoas reunidas em Ancona, porto italiano ao lado do Adriático.

No sábado, Bento 16 afirmou que os atentados do 11 de Setembro foram "ainda mais graves porque seus autores disseram agir em nome de Deus", em carta enviada ao arcebispo de Nova York, pelo décimo aniversário da tragédia.

Segundo o texto, em inglês, dirigido a Monsenhor Timothy Michael Dolan, "neste dia, meus pensamentos se voltam para os acontecimentos sombrios do 11 de setembro de 2001, quando tantas vidas inocentes foram perdidas". (Veja cronologia dos atentados)

"A tragédia do 11 de Setembro foi muito mais grave porque seus autores usaram o nome de Deus", lamentou Bento 16, para quem "nenhuma circunstância pode justificar atos de terrorismo".

"Cada vida humana é preciosa aos olhos de Deus e nenhum esforço deve ser poupado para promover, através do mundo, um respeito verdadeiro aos direitos e à dignidade de indivíduos e povos", escreveu o papa, que reza para que "um compromisso firme de justiça e de solidariedade ajude o mundo a se desembaraçar de sofrimentos que levam, com tanta frequência, à violência".

Bento 16 também homenageou o povo americano por "sua coragem e generosidade" durante as operações de socorro, assim como por sua "capacidade de reencontrar esperança e confiança".

    Leia tudo sobre: papa11 de setembrobento 16igreja

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG