Obama pede união nacional na véspera dos dez anos do 11 de Setembro

Mensagem semanal de rádio é divulgada em meio a reforço da segurança em Nova York e Washington por ameaça terrorista

iG São Paulo |

Em sua mensagem divulgada no rádio e na internet neste sábado, o presidente dos EUA, Barack Obama, pediu união nacional no aniversário do 11 de Setembro e um olhar para um futuro compartilhado, ao mesmo tempo em que refletiu sobre uma década cheia de dificuldades desde os ataques de 2001 .

AFP
Fumaça sai do World Trade Center depois de ser atingido por dois aviões no 11 de Setembro de 2001
"É claro para todo o mundo ver - os terroristas que nos atacaram naquela manhã de setembro não são páreo para o caráter de nosso povo, a resiliência de nossa nação ou a força de nossos valores", afirmou um dia antes do décimo aniversário dos atentados. "Ao olhar para o futuro, seguiremos demonstrando que os terroristas que nos atacaram são impotentes frente à coragem e resistência do povo americano", disse Obama.

Segundo a Casa Branca, o líder americano visitará no domingo os três locais atacados em 2001 - o Marco Zero (onde ficavam as Torres Gêmeas do WTC), em Nova York; o local do queda de um avião sequestrado em Shanksville, Pensilvânia; e o Pentágono, em Washington. (Veja infográfico com a cronologia dos ataques)

Os comentários de Obama neste sábado são provavelmente um prévia da mensagem que dará no domingo, em discurso no Kennedy Center, também em Washington. O líder americano tentou encontrar um equilíbrio entre recordar e seguir adiante, enquanto também buscou retomar o sentimento de união que existiu durante os dias seguintes aos ataques que deixaram quase 3 mil mortos.

Os terroristas "quiseram privar-nos da unidade que nos define como povo. No entanto, não seremos levados à divisão ou suspeita. Somos americanos, e somos mais fortes e mais seguros quando nos mantemos leais aos valores, liberdades e diversidade que nos fazem incomparáveis entre nações", disse.

Obama destacou o "heroísmo" das equipes de resgate que "arriscaram suas vidas para salvar outros". Ele também agradeceu os soldados americanos que servem e serviram nas duas longas guerras no Iraque e Afeganistão , lançadas após os ataques, elogiando os sucessos militares que levaram a avanços contra a Al-Qaeda e à morte de seu líder e mentor, Osama bin Laden , em maio. Ele também reafirmou seu compromisso de diminuir a participação americana nos conflitos que herdou de George W. Bush (2001-2009).

"Sim, enfrentamos um inimigo determinado, e não o subestimem - ele continuará tentando nos atingir novamente", disse Obama. "Mas, como mostramos nesse fim de semana, continuamos vigilantes. Fazemos tudo em nosso poder para proteger nossa população."

Autoridades de inteligência têm trabalhado ininterruptamente para determinar a validade de uma nova ameaça de um possível ataque da Al-Qaeda contra Nova York e Washington , programado para coincidir com o aniversário do 11 de Setembro. De acordo com a rede de TV CNN, dois dos três supostos envolvidos na conspiração podem estar em território americano .

Para Obama, os atos de comemoração do 11 de Setembro durante o fim de semana constituem uma ocasião na qual "nos unimos como nação solidária para lembrar das vítimas e reafirmar nosso compromisso de cumprir sempre nossa lealdade a elas e suas famílias".

Por causa do alerta pelo possível novo ataque, a segurança voltou a ser reforçada em Nova York e Washington. Carros, ônibus, caminhões passam por revistas, com os motoristas sendo obrigados a apresentar documentos, e os policiais a verificar o interior do veículo. Em Penn Station, uma das estações de Nova York, no centro de Manhattan, vários veículos da polícia e agentes, ao lado de cães farejadores, vigiam as entradas, as saídas e o interior do local.

Durante a alocução semanal do Partido Republicano, o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani, que estava no cargo no momento dos atentados, pediu neste sábado aos americanos que não baixem a guarda ante a ameaça terrorista. Segundo ele, o compromisso americano no Afeganistão e no Iraque havia contribuído para "impedir outros atentados de grande magnitude".

"As pessoas me perguntam, com frequência: Os Estados Unidos estão mais seguros agora do que antes do 11 de setembro?'. A resposta é 'sim', mas não tão seguros como deveriam estar", disse. "Realizamos progressos significativos em obter informação da inteligência e na segurança dos aeroportos . Mas ainda resta muito trabalho a fazer", advirtiu o ex-prefeito.

Agenda do 11 de Setembro

Para o décimo aniversário, numerosas celebrações estão previstas em Nova York e em outras cidades americanas: corridas, exposições de fotos, corrente humana no sul de Manhattan, espetáculos de dança, concertos no Lincoln Center, na Times Square, em várias Igrejas, entre elas a Catedral de Washington, danificada pelo terremoto de 23 de agosto .

Entre as cerimônias programadas para recordar e homenagear as vítimas dos ataques, aconteceu neste sábado, em Shanksville, Pensilvânia, a inauguração às 12h30 (14h30 em Brasília), de memorial nacional pelas vítimas do voo 93 da United Airlines. O vice-presidente Joe Biden participará de uma vigília. Uma vela será acesa para cada uma das vítimas.

No domingo, a cerimônia em Nova York começa às 8h40 (9h40 em Brasília) no Marco Zero, com a leitura dos nomes das vítimas acompanhada por música e intercalada com poemas, orações, mas sem celebrações religiosas. Obama e Bush, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, o ex-prefeito Giuliani e os governadores de Nova York e Nova Jersey estarão presentes.

A leitura será interrompida no exato momento em que os aviões atingiram as Torres Gêmeas (8h46 e 9h03 local) e quando as torres vieram ao chão (9h59 e 10h28 local). Também serão lidos os nomes dos mortos no Pentágono e em Shanksville e momentos de silêncio serão observados no exato momento dos respectivos impactos dos aviões (9h37 e 10h03 local).

Depois disso, os parentes das vítimas visitarão o novo memorial no Marco Zero. Muito esperado, esse espaço paisagístico de três hectares será aberto ao público a partir do dia 12. Com mais de 200 castanheiras, possui duas grandes fontes, com as paredes de água fluindo sem parar. Foram erguidas no lugar exato onde estavam as Torres Gêmeas. O nome de cada vítima está inscrito em seu entorno.

AP
O Memorial e Museu do 11 de Setembro, em Nova York, são vistos iluminados na noite de 9 de setembro de 2011
Perto do memorial está sendo levantada a principal torre do novo complexo, o One World Trade Center , que alcançará 1.776 pés (541 metros), o futuro edificio mais alto dos EUA. Sua altura, em pés, corresponde ao ano da independência americana.

Em Shankesville, Pensilvânia, uma cerimônia em memória das vítimas do voo 93 da United Airlines começará às 9h30 local (11h30 de Brasília). No Pentágono, será realizada solenidade, com a presença do presidente Obama e do secretário de Defesa Leon Panetta.

Na Catedral Nacional de Washington, está programado "Um Concerto pela Esperança", às 20h30 local (21h30 de Brasília), com discurso do presidente Barack Obama e apresentações do astro country Alan Jackson, a lenda do R&B Patti LaBelle e a renomada mezzo soprano Denyce Graves.

*Com AP, EFE e AFP

    Leia tudo sobre: 11 de setembronova yorkpentágonoobamapensilvânia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG