Homem deu entrevista ao vivo antes de morrer no 11 de Setembro

Vídeo mostra entrevista em que Jim Gartenberg conta estar preso no WTC; em telefonema, pede que mulher cuide dos filhos

Carolina Cimenti, de Nova York, especial para o iG |

Arquivo
Voo 175 da United Airlines se choca contra Torre Sul do World Trade Center, em Nova York, no 11 de Setembro de 2001
Jim Gartenberg tinha 35 anos e começaria em 12 de setembro de 2001 um novo trabalho em uma empresa fora do World Trade Center. O seu último dia de trabalho no 86º andar da Torre Norte do WTC seria no 11 de Setembro , que marcou o último dia de sua vida. “Na verdade Jim só foi ao WTC para limpar sua mesa e se despedir dos colegas. Ele nem passaria o dia inteiro lá”, explicou Jill, viúva de Gartenberg, ao iG .

Às 8h46, cerca de 45 minutos após entrar no WTC, a Torre Norte foi atingida entre os andares 93 e 99 pelo primeiro avião usado nos ataques. Mas, apesar de estar alguns andares abaixo da zona de impacto, Jim e outras dezenas de pessoas não conseguiram sair do prédio porque as escadas ficaram obstruídas com pedaços de paredes e concreto.

Assim que sentiu o impacto, Jim ligou para casa e deixou um recado para a sua esposa, dizendo que estava bem, mas muito nervoso, e tentaria sair dali o mais rápido possível. Minutos depois, eles conseguiram conversar ao telefone.

“Falei com Jim depois de ele deixar o recado, e, estranhamente, sua voz estava muito calma e tranquila. Ele afirmou que tentaria sair, mas que as escadas estavam obstruídas. Então disse que era para eu cuidar da nossa filha e do bebê que estava esperando (ela estava grávida de três meses). Foi como uma despedida, mesmo que ainda tivéssemos esperanças de que ele pudesse sair”, contou.

Nos 102 minutos que se seguiram até o colapso da Torre Norte, Gartenberg decidiu que queria que o mundo inteiro soubesse qual era sua situação. Que não deixou o prédio porque não havia conseguido, que precisava de ajuda. Ele conversou com o seu melhor amigo e depois começou a ligar para jornalistas e canais de televisão.

De dentro do WTC, Gartenberg deu entrevistas e entrou ao vivo em rede nacional de televisão no canal ABC. Sua principal mensagem naquele momento era de que a situação era delicada, mas não impossível, e que as famílias das pessoas presas nas Torres Gêmeas deviam se acalmar e acreditar em um final feliz.

Depois do colapso da Torre Sul (que desabou primeiro, apesar de ter sido alvo do segundo avião, às 9h03), Jim passou seus últimos minutos ao telefone com a família e amigos, despedindo-se.

“Conversei com ele naquele dia, mas mesmo assim é bom ter a gravação de sua mensagem de voz para ouvir de vez em quando, principalmente a parte em que ele fala das nossas filhas, que quer que eu cuide delas, que as ama. É muito importante para todas nós”, disse.

Veja a entrevista ao vivo de Jim Gartenberg ao canal ABC:

    Leia tudo sobre: wtc11 de setembronova yorkterrorismotorres gêmeas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG