EUA negam ameaças de ataques no aniversário do 11 de Setembro

Segundo a secretária americana de Segurança Interna, não há informações convincentes de que a Al-Qaeda tenha planos para atentado

iG São Paulo |

AFP
Janet Napolitano fez as declarações por meio de um comunicado (17/08)
A secretária norte-americana de Segurança Interna, Janet Napolitano, garantiu nesta sexta-feira que não há informações de inteligência convincentes de que a Al-Qaeda esteja planejando um ataque no aniversário de 10 anos do 11 de Setembro. Mesmo assim, segundo ela, os Estados Unidos permanecem em um alto estado de vigilância.

As autoridades de segurança dos EUA estão particularmente atentas com a proximidade da data. O Departamento de Estado emitiu um alerta para viajantes americanos em todo o mundo e pediu aos seus cidadãos que vivem ou que estão a passeio no exterior, que permaneçam vigilantes.

Em 2001, a Al Qaeda foi responsável por jogar aviões sequestrados nas Torres Gêmeas, em Nova York, e no Pentágono, em Washington. Uma outra aeronave caiu em um campo aberto na Pensilvânia.

"Apesar de não haver inteligência específica ou convincente de que a Al-Qaeda e suas afiliadas estariam planejando ataques contra os EUA para coincidir com o 10º aniversário do 11 de Setembro, permanecemos em um estado mais elevado de vigilância e medidas de segurança estão em vigor para detectar e prevenir planos contra os Estados Unidos, caso surjam", disse Janet em comunicado.

O departamento informou ainda que apesar de não ter identificado nenhuma ameaça específica, a Al-Qaeda e seus associados "demonstraram a intenção e a capacidade de realizar ataques" contra os EUA e seus interesses.

Napolitano afirmou também que, atualmente, os EUA são mais capazes de agir, caso ocorra algum incidente. "Nossa nação está mais forte do que era no 11 de Setembro, mais preparada para confrontar crescentes ameaças, mais sólida do que em qualquer momento anterior."

A secretária ressaltou que a segurança do povo americano continua sendo prioridade. "(A segurança nacional) é uma responsabilidade que compartilhamos e todos desempenhamos um importante papel para ajudar a manter a segurança da nossa população."

Os métodos de luta antiterrorista americanos foram submetidos a uma revisão profunda após os atentados, quando cerca de 3 mil foram mortos.

O departamento para qual Janet trabalha foi criado após o 11 de Setembro e liderou a campanha "If you See Something, Say Something" ("Se você vir alguma coisa, diga alguma coisa", em tradução livre) para envolver os cidadãos americanos nessa tarefa.

A segurança dos Estados Unidos deverá ser reforçada no aniversário de 10 anos dos atentados, quando o presidente Barack Obama participará de cerimônias nos três locais onde eles ocorreram: o marco zero de Manhattan, onde ficava o World Trade Center; o Pentágono, nos arredores de Washington; e em Shanksville, Pensilvânia.

* Com AFP, EFE, Reuters

    Leia tudo sobre: 11 de SetembroWorld Trade CenterataquesAl-Qaeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG