Onze anos após 11/9, americanos se sentem menos ameaçados por terrorismo

Pesquisa mostra também que população mais jovem acredita que EUA não devem ser envolver em questões de política internacional

BBC Brasil |

BBC

Pouco mais de uma década depois do ataque de 11 de Setembro de 2001 , os americanos se sentem menos ameaçados pelo terrorismo, segundo uma pesquisa do Chicago Council on Global Affairs divulgada nesta semana.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre o 11 de Setembro

Vídeo: Veja imagens dos ataques de 11 de Setembro

Infográfico: Veja cronologia dos ataques do 11 de Setembro

Antes e depois: Compare imagens antes e depois da reconstrução

AFP
Fumaça sai do World Trade Center depois de ser atingido por dois aviões no 11 de Setembro de 2001


A pesquisa, realizada de maio a junho deste ano com mais de 1.800 participantes, revelou ainda uma divergência na visão que os americanos mais jovens tem do papel dos Estados Unidos no mundo.

Entre os entrevistados de 18 a 29 anos, 52% acham que os Estados Unidos não devem ser envolver em questões de política internacional, ao passo que apenas 35% das pessoas de faixas etárias mais elevadas compartilham esse ponto de vista.

A maioria dos americanos acima de 29 anos (61%) ainda acredita que os Estados Unidos devem exercer um papel de liderança no cenário global. Quando perguntados sobre o que consideram ser as maiores ameaças aos interesses americanos, 67% dos participantes ainda citam o terrorismo em primeiro lugar, apesar de os resultados apresentarem queda de 6% em relação a 2010.

A preocupação com o programa nuclear iraniano também diminuiu em 4% em relação ao 2010, com 64% dos participantes afirmando que essa é a principal ameaça ao país. A maior queda nesse quesito foi vista em relação à presença de imigrantes e exilados políticos.

Em 2010, 51% dos entrevistados acreditavam que o grande número de imigrantes e refugiados presentes nos Estados Unidos representava um problema grave à nação. Dois anos mais tarde, apenas 40% dos participantes da pesquisa consideram isso uma grande ameaça.

Ameaça da Ásia

Apesar de os americanos ainda considerarem a região do Oriente Médio a maior fonte de ameaças futuras, quando o assunto é política externa, a região da Ásia, e mais especificamente a China, começa a ocupar um papel maior.

Leia também: Onze anos após o 11 de Setembro, construções continuam no Marco Zero

De acordo com o estudo, isso pode ser reflexo de uma preocupação maior da população com a economia e de mudanças no cenário geopolítico mundial. Esta é a primeira vez desde 1994 que a maioria dos americanos (52%) diz que a Ásia é mais importante para a economia dos Estados Unidos do que a Europa. Apenas 47% dos entrevistados ainda consideram a Europa o continente economicamente mais relevante para o país.

Apesar de estarem mais longe da explosão da crise financeira de 2008, atualmente 83% dos americanos consideram que a proteção dos empregos dos cidadãos deve ser uma meta importante na condução da política externa do país. Em 2010, apenas 79% dos entrevistados afirmaram o mesmo.

Para 77%, outra meta importante seria diminuir a dependência do petróleo estrangeiro, outro aumento verificado em relação a 2010, quando 74% indicaram o mesmo. A pesquisa revelou ainda que menos americanos estão interessados em promover e defender direitos humanos em outros países (28%, queda de 4% em relação a 2010) e em ajudar a formar governos democráticos em outras nações (14%, contra 19% em 2010).

Brasil

Outro reflexo da transformação no cenário global é que 69% dos americanos acha bom dividir as responsabilidades de política externa com países como a Turquia e o Brasil. Apenas 28% dos entrevistados considera isso negativo, pois temem que esses países ajam de forma contrária aos interesses dos Estados Unidos.

"O crescimento do Brasil vai mudar a dinâmica não só com os Estados Unidos, mas com o mundo todo, e espero que o governo americano esteja prestando a atenção nisso", disse à BBC Brasil Jane Harman, presidente do Wilson Center, organização sediada em Washington dedicada a estudos de políticas nacionais e internacionais.

"Também espero que, não importa quem seja o novo presidente dos Estados Unidos, uma principal prioridade dele seja desenvolver o já bom relacionamento com o Brasil."

    Leia tudo sobre: 11 de setembronova yorkeuaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG